Operação Reprobus, desencadeada pela Civil de Canoinhas, efetua mais prisões

Compartilhe:
Em continuidade à Operação Reprobus, desencadeada pela Polícia Civil de Canoinhas, na manhã do dia 14 de setembro, policiais da Divisão de Investigações Criminais (DIC) de Chapecó, cumpriu oito mandados de prisão, após a conclusão das investigações formalizadas nos Inquéritos Policiais.

Foram presos preventivamente dois homens (de 22 e 27 anos), suspeitos de integrarem uma organização criminosa, responsável pelos ataques a órgãos públicos realizados em meados deste mês.

Um casal (de 36 e 37 anos), respectivamente, foi preso preventivamente, pela prática do crime de estupro de vulnerável. O marido foi preso no dia 16 de setembro, e a mulher na segunda-feira, dia 25.
Segundo as investigações, o homem teria estuprado por várias vezes sua filha, hoje com 12 anos. A mãe da vítima, por sua vez, teve sua prisão decretada por saber do crime e, ainda assim, omitir-se, deixando que sua filha fosse violentada sexualmente pelo marido.

Na ocasião, o indiciado. tentou resistir à prisão, porém foi prontamente contido e apresentado na Central de Plantão Policial, para providências.

Todos foram levados para o presídio de Chapecó e ficarão à disposição da justica.
Imagem: Polícia Civil
Outro preso foi um homem, de 26 anos, tendo em vista ter sido condenado pelo delito de roubo majorado, praticado em uma residência localizada na cidade Coronel Freitas.
O crime teria ocorrido no dia 20/03/2013, conforme apontaram as investigações realizadas pela Polícia Civil, na época.

Um adolescente, de 17 anos, foi apreendido no dia 18/09, por atos infracionais análogos a delitos contra o patrimônio, dentre eles uma tentativa de latrocínio.

Por fim, foi preso preventivamente, um homem, de 24 anos, pelo crime de homicídio contra um homem, praticado no dia 27 de maio deste ano, na Baixada dos Fortes.

A Operação Reprobus foi deflagrada pela DIC de Canoinhas e visou o cumprimento de mandados de prisão e busca e apreensão, em Canoinhas e Três Barras.
Dois jovens são suspeitos de terem matado outra vítima, motivo pelo qual também restaram presos de forma preventiva, depois de concluído o Inquérito Policial que apurou o caso.

Todos os indivíduos que foram presos encontraram-se, atualmente, no Presídio Regional de Chapecó, onde permanecem à disposição da Justiça.