Grid

GRID_STYLE
FALSE
TRUE
Textual description of firstImageUrl

Festa clandestina e aglomeração é flagrada pela PM de Três Barras

Na noite de domingo (10), por volta das 19h45, policiais militares estavam em rondas pelo bairro Jardim Rio Negro, em Três Barras, quando...


Na noite de domingo (10), por volta das 19h45, policiais militares estavam em rondas pelo bairro Jardim Rio Negro, em Três Barras, quando ao entrar na localidade popularmente conhecida como "Raia" se depararam com várias pessoas e veículos, os quais poluíam o local jogando garrafas, plásticos, papéis e latas de cerveja no chão.

A guarnição constatou que várias pessoas não utilizavam máscaras e ali confraternizavam, contrariando o decreto que estabelece a utilização de máscara a toda população do município de Três Barras desde 23 de Abril, com finalidade de evitar a transmissão comunitária do novo Coronavirus.

O local é conhecido no meio policial devido a várias ocorrências ali atendidas, desde uso de entorpecentes, carros efetuando manobras, reunião de pessoas e perturbação do sossego alheio. 

Devido a constatação do crime de poluição ambiental e o não cumprimento do decreto municipal, a guarnição orientou a todos que se retirassem.

De acordo com a PM, a ordem não foi atendida pelas pessoas ali presentes, e algumas insistiam em ali permanecer.

Foi realizada também a abordagem de alguns veículos, oferecendo aos condutores o teste do etilômetro. Os abordados se recusaram a fazer o teste, porém, questionado se haviam ingerido bebidas alcoólicas afirmaram que sim.

Como apresentavam sinal de embriaguez e se recusaram a realizar teste de etilômetro, foram autuados.

Durante as abordagens, um homem não identificado abandonou uma motocicleta, que se encontrava com o licenciamento em atraso, assim foi recolhida ao pátio conveniado, não sendo possível identificar o condutor. Ninguém foi preso, mas a "festa" foi dispersada.

Vale lembrar que quem promove festas clandestinas e aglomerações durante a pandemia pode responder por crime contra a saúde, cuja pena pode resultar em detenção de até quatro anos de reclusão.