Grid

GRID_STYLE
FALSE
TRUE
Textual description of firstImageUrl

Em meio a crise do governo catarinense, secretário da Casa Civil pede exoneração

Douglas Borba foi ouvido por cerca de duas horas na Polícia Civil. Foto: Maurício Vieira/Secom O secretário Douglas Borba apresentou na ...

Douglas Borba foi ouvido por cerca de duas horas na Polícia Civil. Foto: Maurício Vieira/Secom
O secretário Douglas Borba apresentou na manhã deste domingo (10) o pedido de exoneração do cargo de chefe da Casa Civil do Governo de Santa Catarina.

A saída ocorre em meio à crise instalada no governo por conta das suspeitas envolvendo a compra de 200 respiradores. O caso já havia resultado na saída do secretário de Saúde, Helton Zeferino.

Em março, o estado comprou de forma emergencial, sem licitação, 200 respiradores que serviriam para equipar novos leitos de UTI e pagou o valor integral adiantado: R$ 33 milhões. Os equipamentos deveriam ter chegado no começo de abril, mas até agora nada.

"O afastamento é necessário para que possa cuidar de sua defesa e seguir colaborando espontaneamente com as investigações em função de seu nome ter sido citado no processo de compra de respiradores pela Secretaria de Estado da Saúde", comunicou a pasta por meio de nota (Veja íntegra abaixo).

Borba prestou depoimento à Polícia Civil em relação ao caso. A pasta afirmou, por meio de nota, que ele foi ouvido por cerca de duas horas e que a investigação está em segredo de Justiça.

O então secretário da Saúde, Helton Zeferino prestou depoimento na semana passada ao Gaeco. 
Ele admitiu que autorizou a compra, tendo como base um parecer jurídico da Secretaria de Saúde, mas negou que tenha ordenado diretamente o pagamento de R$ 33 milhões pelos aparelhos. Falou também que a Casa Civil teve participação direta na compra.

Nota oficial da Casa Civil do Estado
"Após uma longa conversa com o governador Carlos Moisés na manhã deste domingo, 10, o secretário Douglas Borba apresentou o pedido de exoneração do cargo de chefe da Casa Civil do Governo do Estado de Santa Catarina. 

No pedido, explica que o afastamento é necessário para que possa cuidar de sua defesa e seguir colaborando espontaneamente com as investigações em função de seu nome ter sido citado no processo de compra de respiradores pela Secretaria de Estado de Saúde.

Ele também reforça que sua saída visa evitar prejuízos à imagem do Governo, que lamentavelmente passa por instabilidade política em meio a uma pandemia mundial com desafios de saúde pública sem precedentes, quando a prioridade máxima da Administração Pública Estadual está voltada à salvar e proteger vidas.

Borba agradece aos servidores da Casa Civil e dos órgãos vinculados à secretaria, além de todos os colegas e membros do primeiro escalão pela convivência harmônica e pela construção de um governo ético, dinâmico e inovador.

Por fim, faz um agradecimento especial ao governador Carlos Moisés pela oportunidade e confiança depositada em todos os momentos."