Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE
FALSE

Archive Pages Design$type=blogging$count=7

TRUE
HIDE_BLOG
Textual description of firstImageUrl

Jovem, criado em orfanato, toca violino em semáforos para poder cursar faculdade, no Paraná

"É para pagar contas, para comer, para sobreviver. A bolsa da faculdade ajuda, mas é pouco", diz o estudante. Foto: Rafael Poyer...

"É para pagar contas, para comer, para sobreviver. A bolsa da faculdade ajuda, mas é pouco", diz o estudante. Foto: Rafael Poyer/RPC Ponta Grossa
Um jovem músico está transformando a luz vermelha dos semáforos em uma forma de seguir com os estudos.

Aos 20 anos, ele toca violino em cruzamentos de Ponta Grossa, no sul do Paraná, para conseguir dinheiro e cursar a universidade.

O jovem Higor de Quadros cresceu em um orfanato na cidade. Foi lá que ele aprendeu a tocar o primeiro instrumento: um trompete.

Atualmente, ele está matriculado no curso de Música, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), e mora em uma república.

O estudante ganha uma ajuda de custo de R$ 400. Para ajudar nas contas, o jovem conta que resolveu tocar violino nos semáforos.

"É para pagar contas, para comer, para sobreviver. A bolsa da faculdade ajuda, mas é pouco", conta Higor.

O estudante de música pensa em tornar o trabalho em de terapia. Atualmente, Higor já participa de projetos na área.

Trabalho nas ruas

O jovem violista busca escolher semáforos com maior tempo de duração. Quando a luz vermelha começa a descer pelo sinal, ele sai em busca da doação dos motoristas. Mas precisa estar atento para evitar acidentes.

"É perigoso isso, já fui atropelado por uma moto uma vez. Quebrou com o violino. Por isso ele tá ruim de afinar hoje", disse.

Por dia, Higor diz que consegue arrecadar cerca de R$ 100. O estudante diz ser grato, mesmo àqueles que não contribuem financeiramente.

"Muito obrigado aos que ajudam. Os que não têm condição, não tem problema, eu entendo. Acho lindo quem acredita em mim, me incentivam bastante. Espero que um dia eu possa fazer o mesmo por outras pessoas", afirmou.