Grid

GRID_STYLE
FALSE

Archive Pages Design$type=blogging$count=7

TRUE
HIDE_BLOG
Textual description of firstImageUrl

Mulher é presa após tentar corromper policial, com serviços sexuais e vantagem financeira

Uma mulher foi presa, na madrugada desta segunda-feira (16) em Canoinhas, pelo crime de corrupção ativa ( a corrupção ativa ocorre quando...


Uma mulher foi presa, na madrugada desta segunda-feira (16) em Canoinhas, pelo crime de corrupção ativa ( a corrupção ativa ocorre quando alguém oferece alguma coisa para que um agente público faça ou deixe de fazer algo que não deveria).

Ela quis resolver uma situação relacionada a infrações de trânsito oferecendo vantagem financeira e serviços sexuais a um dos policiais militares.

Tudo começou quando a mulher, que é proprietária de um bar, localizado na BR-280, acionou a PM por volta da 05h35 da madrugada, para denunciar um furto em seu estabelecimento.

O objeto do furto, no caso, foi um litro de destilado. Suas "funcionárias" assumiram que pegaram a bebida sem autorização e a consumiram.

As autoras do furto foram conduzidas para a Delegacia para devidas providências.

A proprietária deslocou-se até a delegacia por meios próprios, conduzindo um veículo GM ONIX.  Ao chegar no local, foi perguntado sobre a documentação do veículo e se possuía CNH, a mesma afirmou que o veículo estava tudo certo, porém não possuía Carteira Nacional de Habilitação.

Os policiais então informaram a mesma dos trâmites legais a serem realizados de acordo com o Código Brasileiro de Trânsito.

Nesse momento,  a mulher ofereceu dinheiro e serviços sexuais a um dos policiais com a finalidade de resolver a situação relacionada as infrações de trânsito.

De acordo com a polícia,  a mulher foi insistente em tal oferta e recebeu voz de prisão pelo crime de Corrupção Ativa.

O crime de corrupção ativa está previsto no art. 333 do Código Penal, nos seguintes termos:
Art. 333 – Oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício: Pena – reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.