Grid

GRID_STYLE
FALSE

Archive Pages Design$type=blogging$count=7

TRUE
HIDE_BLOG
Textual description of firstImageUrl

Barbárie em SP: menino de 5 anos morto pela irmã teve os olhos furados e estava cercado por velas, diz polícia

A polícia investiga se o irmão de Karina (foto) foi morto durante algum tipo de ritual. Um menino de 5 anos que foi morto pela irmã, ...

A polícia investiga se o irmão de Karina (foto) foi morto durante algum tipo de ritual.

Um menino de 5 anos que foi morto pela irmã, em São Roque, cidade no interior de São Paulo, na noite da última quinta-feira (4), foi encontrado com os olhos furados, com o pênis decepado e cercado por velas.

O caso foi registrado na delegacia de São Roque e a suspeita teve a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva durante audiência de custódia nesta sexta-feira (5).

Conforme a polícia, Karina Aparecida da Silva Roque, de 18 anos, confessou o crime. Ela estava em casa, com o irmão e contou que o chamou para brincar no quarto quando o matou asfixiado com um travesseiro.

Ainda segundo a polícia, a jovem fez cortes pelo corpo do garoto e queimou algumas partes. Ela ainda decepou o pênis do irmão e disse aos policiais que comeu o órgão.

A vítima também teve os olhos furados. A polícia investiga se o irmão de Karina foi morto durante algum tipo de ritual.

A polícia informou que Karina ainda queimou o celular. Ela deve passar por exames para averiguar se estava sob efeito de algum produto entorpecente.

O caso foi descoberto quando a mãe dos irmãos chegou em casa e foi impedida de entrar. A mulher chamou um cunhado, que arrombou a porta, encontrando o menino morto com sinais de tortura na casa e cercado por velas.

A suspeita foi contida pelo tio, que acabou atingido por uma pedrada. A polícia foi chamada e a jovem foi detida.

Ela vai responder por homicídio qualificado consumado pela morte do irmão, tentativa de homicídio do tio e maus-tratos, porque chegou a morder o cão da família que avançou nela enquanto era rendida pelo parente.

A família relatou à polícia que a jovem nunca apresentou problemas e que sempre cuidou do irmão.