Grid

GRID_STYLE
FALSE

Archive Pages Design$type=blogging$count=7

TRUE
HIDE_BLOG
Textual description of firstImageUrl

Cliente se dá mal ao processar bar por causa do tamanho de uma caipirinha, no Paraná

Caipirinha cara! cliente processa bar por causa de bebida mas é obrigado a pagar indenização/Reprodução Um homem foi condenado pela Just...

Caipirinha cara! cliente processa bar por causa de bebida mas é obrigado a pagar indenização/Reprodução
Um homem foi condenado pela Justiça após entrar com uma ação contra um bar, pois estava insatisfeito com o tamanho de uma caipirinha.

O caso aconteceu em Curitiba. De acordo com o juiz do caso, o autor da ação agiu de má-fé.

O economista Ronaldo Valdívia alegou que em junho de 2018 pediu um drinque chamado "Caipirão" em um bar. 

Segundo ele, o anúncio dizia que a bebida tinha 600 mililitros, mas quando o pedido chegou, a quantia no copo era menor do que a anunciada.

Na ação, Ronaldo diz que reclamou com os atendentes e teve que pedir outra bebida. 

Ele alegou no processo que teve a honra e dignidade afetadas, além de desejos e vontades cassados. 
Imagens de Ronaldo com a bebida na mão foram anexadas ao processo.

Má-fé


O Juizado Especial de Curitiba entendeu que o autor da ação agiu de má-fé e o condenou ao pagamento de multa.

Na sentença, o juiz cita que nas imagens anexadas ao processo um homem aparece de maneira contente e descontraída. 

Para o juiz, quem teve o direito violado não se apresentaria desta forma em uma fotografia.

Ainda na decisão, o magistrado acrescenta que o autor da ação bebeu o drinque até o fim, pediu mais duas cervejas e ainda ganhou desconto de R$ 25 na conta. 
Diante dos fatos, o juiz inverteu a sentença contra o autor.

No entanto, segundo o juiz, os Juizados têm enfrentado problemas de demandas judiciais causadas por "uma verdadeira avalanche de pedidos de indenizações por danos morais totalmente descabidos".

A sentença condenou o economista ao pagamento de multa de 10% do valor da ação, que é de R$ 10 mil. 

Ele também foi condenado ao pagamento de honorários, calculados em 20% o valor da causa. No total, o pagamento da condenação soma R$ 3 mil.