Pesquisar neste site

Canoinhas pode ficar sem a maternidade do HSCC a partir de janeiro?

Contratos vigentes ainda não foram renovados entre Município de Canoinhas e Hospital
Santa Cruz.
O vereador Paulinho Basílio (MDB) apresentou requerimento na sessão desta semana, solicitando informações da prefeitura e Secretaria de Saúde quanto aos contratos que o Hospital Santa Cruz de Canoinhas e a Secretaria de Saúde tinham firmados.




Segundo informações levantadas pelo vereador, se sabe que a gestão do HSCC não tem mais interesse em dar continuidade a essa parceria, visto que a licitação que trata dos serviços de plantão da maternidade restou deserta (não houve interessados).

Basílio solicita informações sobre quais procedimentos serão tomados à cerca dessa questão e como o poder executivo pretende solucionar o problema. 

Ainda sobre o andamento dos dois contratos: Sobreaviso e UPA respectivamente, caso também sejam desertas, qual será o posicionamento do poder executivo municipal.

“Se não houver solução pode vir a acontecer que a maternidade não funcione a partir de janeiro”

Vereador explicou sobre seu requerimento, destacando que o poder executivo tem um problema a partir do dia 1º de janeiro, "quando o Hospital, que é o prestador,  não irá mais prestar o serviço". 

Paulinho se preocupa que se a licitação de sobreaviso der deserta, quais serão as ações a serem tomadas pelo município. “Parece que o Conselho não tem mais interesse nos contratos porque a verba para o custeio não é o suficiente para cobrir as despesas”, justificou, destacando que são três contratos que a partir do início do ano que vem podem não ter mais andamento, e por isso do pedido de informações.



Vereador Célio Galeski (PR) indagou se até o momento estava tudo ocorrendo bem com os serviços, o porque nessa licitação deu deserta. 
Onde estão os profissionais nessa nova licitação? ”, indagou, destacando que o vereador Paulinho está correto com seu questionamento, mas que também há uma preocupação da comunidade quanto aos serviços e sua continuidade. 

Célio perguntou onde "estão os profissionais e o que estes precisam para participar da licitação"

Estamos falando sobre a vida das pessoas, eu acredito que não vai dar deserta as novas licitações (que trata dos serviços de plantão da maternidade)”, desabafou.