Pesquisar neste site

Ex-prefeito que usou cilindro de oxigênio para bombear chopp pode ir a júri popular

O Ministério Público do Paraná pediu que José Cláudio Pol, ex-prefeito de Luiziana, no centro-oeste do estado e outros dois réus vão a júri popular pelos crimes de homicídio qualificado e peculato.

O ex-prefeito e dois funcionários do município são acusados de desviar um cilindro de oxigênio de uma unidade de saúde para usar em um barril de chope, durante uma festa particular na casa de José Cláudio, na passagem de ano de 2012 para 2013.

Foto postada em Redes Socias mostra o cilindro de oxigênio usado para bombear chopp/Arquivo
De acordo com Ministério Público, a falta do equipamento contribuiu para a morte de uma paciente da cidade que precisou ser transferida de ambulância para Campo Mourão, a 30 km de Luiziana.

O cilindro de oxigênio aparece em fotos publicadas por familiares do ex-prefeito em uma rede social à época dos fatos.




A defesa dele informou, em nota, que repudia todas as acusações feitas e que a inocência dele será demonstrada no processo.

A nota ainda afirma que havia uma grande disputa política à época dos fatos, quando várias mentiras foram espalhadas.

Para a Promotoria, as provas nos autos demonstram a atuação conjugada dos três acusados para a retirada do cilindro de oxigênio, que era usado no atendimento de urgência e emergência do município.

Sua instalação (do cilindro de oxigênio) para bombear chope na casa do então prefeito, de modo que além de apropriar-se de coisa pública, na mesma ocasião também expuseram às consequências que pudessem advir qualquer eventual paciente que dele necessitasse (como de fato aconteceu, desse modo colaborando-se para o óbito da vítima...)”, diz um trecho do documento.

Nas alegações, a promotoria fala sobre o crime de homicídio com dolo eventual – quando se assume o risco de produzir o resultado morte – e compara a atuação dos réus a pessoas que se “divertem” fazendo racha com carros em meio a uma multidão, que podem, eventualmente, atropelar e matar alguém.