Após derrota, Mariani diz que não tem mais interesse em disputar eleições

"Não tenho mais nenhum interesse em disputar eleições, isso está muito claro para mim".
Mauro Mariani (MDB), ex-prefeito de Rio Negrinho, ex-deputado estadual, Deputado Federal, e recém candidato ao governo de Santa Caarina, disse nesta terça-feira (09), que 'não tem mais interesse em disputar eleições".

A afirmação foi feita por telefone, para a reportagem do Diário Catarinense.  Na conversa, Mariani reafirmou que não disputará mais eleições e declarou que não se arrepende de não ter declarado apoio a Bolsonaro.




Veja algumas declarações de Mariani:

A não ida ao segundo turno foi reflexo do que aconteceu em nível nacional, especialmente da onda Bolsonaro no Estado, ficou muito evidente. Tinha espaço para um (no segundo turno). Um seria o candidato do Bolsonaro e o outro, quem iria com ele, isso ficou claro agora, mas tudo bem.

O MDB em SC teve de novo um grande desempenho, muito acima da média nacional. O partido, em que pese termos uma derrota pela minha não ida ao segundo turno, demonstrou força em SC de novo, mais uma vez. Do ponto de vista partidário, o resultado mais uma vez reafirma a força do MDB em SC. O partido está aí forte, firme, com as maiores bancadas e vamos em frente.

Qual a razão dessa força do MDB por todo o Estado não ter se revertido na sua ida ao segundo turno?

Porque a campanha do nosso adversário direto, que era o Merisio, teve uma atitude corajosa que nós não tivemos, que foi declarar apoio ao Bolsonaro, no dia 27 de setembro, a data fundamental. Nós acompanhamos com pesquisa diárias e ali ele encostou em nós, até ali mantínhamos uma margem. Com aquele movimento, que para pessoas muitas delas com discernimento político, entenderam como oportunista, e foi oportunista, mas na prática parte da população passou a ver nele identificação com o Bolsonaro e isso deu 2, 3, 4 pontos percentuais que nos tiraram a possibilidade de ir ao segundo turno. Simples assim.

Se arrepende de não ter declarado apoio a Bolsonaro também?

Não, de forma nenhuma. Eu sempre disse: não queria e não quero ser governador a qualquer preço. (É preciso) manter certa coerência, Foi uma decisão que tomamos naquele momento, uma decisão coletiva, unânime, sem nenhuma voz que discordasse daquele posicionamento.

Ainda no domingo o senhor disse que avaliava deixar a vida pública. Essa é a decisão?

Eu tenho muita tranquilidade nisso. Eu tinha isso determinado com minha família, tenho minhas fábricas para tocar e vou voltar a me dedicar um pouco a isso. Quem foi e é da política como eu, que fui prefeito, deputado estadual, deputado federal, nunca sai da política por inteiro, sempre vai ajudar. Mas eu não tenho mais nenhum interesse em disputar eleições, isso está muito claro para mim.

Agora é um ciclo da minha vida que se fecha na questão da disputa. Política sempre vou fazer porque gosto dela e entendo que é por ela que temos que encontrar os caminhos.

*Com informações do Diário Catarinense