Jovem que atirou em colegas dentro de escola diz que saiu de casa decidido a praticar o ataque

Sala de aula onde ocorreu o ataque será periciada.  Foto: Bruna Kobus/RPC
Alunos e professores viveram momentos de pânico em uma escola estadual no município de Medianeira, no oeste do Paraná, na manhã desta sexta-feira (28).

Um adolescente, de 15 anos, entrou armado e atirou contra colegas de classe. Dois alunos ficaram feridos, um deles, de 15 anos, gravemente, com um tiro nas costas. Ele deverá passar por uma cirurgia para a retirada de uma bala que está alojada próximo à coluna vertebral.

O outro, de 18 anos, foi atingido de raspão em uma das pernas. Ele foi encaminhado ao hospital, recebeu um curativo e liberado. No momento do ataque, houve tumulto e correria.





O suspeito de atirar é um adolescente de 15 anos. Outro jovem, também de 15 anos, supostamente dava cobertura ao atirador.

Policiais militares informaram que quando chegaram ao colégio os adolescentes, que tentaram se esconder em uma sala no segundo andar de um dos pavilhões, jogaram um explosivo no pátio e atiraram contra os agentes.

Arma utilizada pelo adolescente/Reprodução/Tribuna do Paraná
Em seguida, os policiais invadiram a sala onde os dois estavam e os renderam. Com os dois foram apreendidos um revólver calibre 22, munição e uma faca.


Na casa do atirador, policiais encontraram mais armas, facas e bombas caseiras. Foto: Polícia Civil/Divulgação
O adolescente, filho de agricultores, disse à polícia que vinha sofrendo bullying, que tinha ao menos nove alvos e que saiu de casa decidido a praticar o ataque, planejado desde julho.

De acordo com a polícia, uma carta com pedido de desculpas foi encontrada no material escolar dos suspeitos, além de recortes com notícias de ataques em escolas dos Estados Unidos e do Brasil. No celular de um deles também foram encontrados vídeos de violência.


Os dois jovens entraram no colégio armados e com as mochilas cheias de munição,
bombas caseiras, bombinhas e uma faca.
"É considerado uma espécie de atentado. Os alunos eram vítimas de bullying. Um veio com bomba e o outro com uma arma. A bomba foi explodida no pátio do colégio. Na carta encontrada na mochila de um dos alunos ele se justifica sobre o que aconteceu. Ele se sentia menosprezado e humilhado", comentou o delegado Dênis Zortéa Merino.

Na casa do atirador, policiais encontraram mais armas, facas e bombas caseiras. Os suspeitos devem responder por tentativa de homicídio.

Os pais dos dois adolescentes também foram levados à delegacia para prestar esclarecimentos.