Farra com dinheiro público: vereadores embolsam valores de diárias em Rio Negrinho e São Bento do Sul

Compartilhe:

A Polícia Civil indiciou 38 vereadores e servidores públicos de Rio Negrinho e São Bento do Sul, no Norte catarinense, em suspeita de fraude.
Conforme a investigação, eles se inscreveram em cursos, não foram às aulas e ficaram com o valor das diárias de viagem. Um parlamentar chegou a ficar com mais de R$ 75 mil.

Vereadores e servidores das Câmaras de Rio Negrinho e São Bento do Sul se inscreviam em cursos de qualificação organizados por três empresas do Paraná.
"As pessoas compareciam nos locais, faziam as inscrições, assinavam as listas e iam embora", resumiu o delegado regional de São Bento do Sul, Odair Sobreira Xavier.





Ele ainda conta que os vereadores e servidores "retornaram ao hotel, onde permaneceram por duas noites, sem frequentar qualquer aula".

"As testemunhas e alguns envolvidos assumiram claramente que os cursos, na grande maioria, eram apenas para justificar o recebimento de diárias", afirmou o delegado regional.

No depoimento, uma das pessoas ouvidas ainda revela que usava os valores que recebia com as diárias para complementar sua renda pessoal.

Segundo a polícia, a inscrição de cada curso custava em torno de R$ 400, valores que ficavam com as empresas envolvidas na fraude.




Já os vereadores e servidores recebiam diárias que chegavam a R$ 500, sendo que cada curso tinha duração de três a quatro dias.

A Câmara de São Bento do Sul gastou com inscrições e diárias R$ 66.488 mil. Já Rio Negrinho teve um rombo de R$ 615.099,03 mil.

Dos 38 indiciados por peculato e falsidade ideológica, 12 são ex-vereadores e dois continuam nas câmaras.
César Augusto Godoy (PSB), vereador de São Bento do Sul, recebeu R$ 3.276 em diárias. Já Artêmio Corrêa (MDB), vereador de Rio Negrinho, foi o campeão em diárias: recebeu R$ 75.206,23.
As fraudes ocorreram entre 2004 e 2016, segundo a polícia.

Com informações do portal G1/SC