Três são presos por tumulto e quebra de garrafas em frente a casa noturna em Canoinhas

Confusão em frente a casa noturna em Canoinhas

Na madrugada desta segunda-feira (13), por volta das 0h30, equipes da PM de Canoinhas foram acionadas para comparecer em frente a uma casa de shows, na Rua Vidal Ramos, onde havia uma aglomeração de pessoas e alguns masculinos estavam quebrando garrafas e tumultuando.

Com a chegada da equipe PM os indivíduos dispersaram, sendo acompanhados pelas câmeras de monitoramento do COPOM e abordados na Rua Coronel Albuquerque em frente à outra casa noturna.

No momento em que foram abordados os jovens com 19 e 21 anos e um adolescente, resistiram e não obedeceram as ordens emanadas pelos policiais de colocar as mãos sobre a cabeça e ficar de costas. Ato contínuo tentaram investir contra a equipe PM sendo necessário uso progressivo da força para contê-los. 




No momento em que foram abordados, os três masculinos estavam gritando em alto tom na via pública e quebrando garrafas na via. Contidos, ainda demonstravam resistência e a todo o momento desacatavam os militares com palavras de baixo calão.

Constatou-se que o adolescente estava visivelmente embriagado e afirmou que ingeriu bebida alcoólica com os dois que ali estavam, tipificando também a conduta do art. 243 do ECA. 

Já na Delegacia de Polícia, compareceu uma vítima, proprietário do veículo GM/CORSA, relatando que um masculino havia quebrado o pára-brisa do seu carro e danificado mais algumas partes.
Ao ver os masculinos presos a vítima reconheceu um dos envolvidos. Assim, fora qualificado o masculino e arrolado nos termos do boletim de ocorrência.

Veículo que estava estacionado próximo foi danificado pelos vândalos. PM/Divulgação





Todos foram levados para a Delegacia de Polícia Civil de Canoinhas para os procedimentos de flagrante. 
Ao término da ocorrência, ao inserir os dados do presente no sistema da Policia, acabou por perceber que a foto que constava no cadastro do adolescente não era a mesma do indivíduo apreendido. 

Constatou-se então que o nome que o adolescente passou como sendo seu, era na verdade de seu irmão. Diante do exposto, o fato tipifica a conduta de Falsa Identidade ao adolescente, arts. 307 e 308 do CP.
Foi necessário realizar as devidas correções e imprimir novo comprovante da ocorrência.