Em SC, caçadores matam onças e divulgam imagens dos animais nas redes sociais

Compartilhe:

Caçador mata onças-pardas em SC e divulga vídeo nas redes sociais comemorando o crime

Espécie está ameaçada de extinção no País. Foto:: Zig Koch / Observatório de Justiça e Conservação
Caçadores suspeitos de maltratar e matar duas onças, mãe e filhote, em uma área de floresta de Mata Atlântica em Santa Catarina foram multados nessa sexta-feira (17) em R$ 743,5 mil pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).
Após o crime, os caçadores divulgaram imagens dos animais nas redes sociais.

Em um dos vídeos (veja o vídeo abaixo) que viralizaram na sexta-feira (17), aparece um homem, identificado como Lauri Sutil Narciso, ex-vereador da cidade de Agrolândia e hoje servidor da Secretaria de Obras, segurando a cabeça decapitada de um filhote. “Ó rapaziada, o rapaizinho se bobeou comigo, deu assim, ó. É meu recado proceis: não se bobeiem comigo (...).”

Conforme o Instituto, as vítimas eram duas onças suçuaranas, também chamadas de Puma Concolor, espécie que está ameaçada de extinção. Elas foram mortas de forma cruel, agredidas com pauladas e atacadas por cães de caça dos criminosos.
 Depois, foram mortas com armas de fogo, uma delas foi até decapitada.



Os criminosos fizeram imagens da mãe e do filhote e divulgaram nas redes sociais. Os autores dos crimes foram identificados pela Delegacia de Polícia de Trombudo Central, no Vale do Itajaí.

Os policiais comprovaram a prática de maus-tratos, assassinato de animais silvestres ameaçados de extinção e a exploração da imagem de animais em situação de maus-tratos.

Um dos caçadores também foi autuado por uso indevido de registro de controle e manejo de javali para caçar animais silvestres.

Imagem de um dos vídeos em que o caçador aparece segurando a cabeça decapitada do animal.
Defesa

José Nilson Sutil, filho do vereador que aparece no vídeo, afirmou que o “leão” (como a espécie é chamada no local) estava comendo ovelha e gado dos vizinhos. “Mas isso faz um tempão, uns 3, 4 anos atrás, o vídeo foi rodando, rodando e agora que caiu na internet e começaram a falar, falar”, disse.

Ele reconhece que o pai fez algo errado. “Mas tá todo mundo falando que ele tem de ser preso, tem de ser morto, mas ninguém lembra que quando ele era vereador, todo mundo vinha pedir ajuda na porta de casa e ele ajudava os outros. Às vezes faltava comida em casa porque ele dava pros outros. Isso ninguém fala. E tem tanta gente que mata, estupra, rouba e não vai pra cadeia e ele vai ser julgado por matar onça?”
Como se uma coisa justificasse a outra.