Novo golpe em SC: criminosos que se passam por agentes do Detran

Compartilhe:
A Polícia Civil de Santa Catarina investiga um novo tipo de golpe praticado por criminosos que se passam por agentes do Detran.
Através de contatos por mensagens no celular, os estelionatários oferecem serviços de cancelamentos de multas, carteiras de habilitação (CNHs) e venda de veículos que iriam à leilão. Mas tudo é falso.

As pessoas que caíram no golpe também serão investigadas pela Polícia Civil, que já recebeu várias denúncias. Por enquanto, nenhuma das vítimas informou que entregou dinheiro para os estelionatários no estado. O golpe é o mesmo que vem sendo aplicado em outros estados do país.


Como funciona o golpe

A pessoa recebe uma mensagem pelo whatsapp, de alguém que não conhece. Na mensagem, o golpista conversa como se estivesse enviando um recado para um suposto amigo com quem teria feito um esquema sigiloso.

Ele diz que já retirou algumas multas do sistema, que tem carros baratíssimos desviados de leilões para negociar e ainda diz que consegue cadastrar carteiras de habilitação no sistema do Detran.

Um minuto depois, ele manda outra mensagem pedindo desculpas pelo engano. O criminoso faz esse "jogo" como uma isca.

Com essa mensagem, ele quer dissimular o golpe, fazendo se passar por pessoa que tem acesso privilegiado, seja à lista de veículos que vão a leilão, ou mesmo acesso pra inserir um CNH no sistema do Detran.

O criminoso envia uma mensagem "sem querer", pelo whatsapp/Reprodução
O delegado responsável pelo caso, Daniel Ducon, comentou a investigação: "Já conversamos com o Detran e não foram identificados funcionários que teriam repassado essas mensagens. Então a gente trata como tentativa. São terceiros se passando por servidores do Detran e oferecendo esse tipo de serviço".

No mês passado, um homem caiu na tentação no Tocantins.
"Ele mandou a mensagem pra mim buscar a moto lá no Detran. Eu cheguei lá, ninguém falou que conhecia essa pessoa lá não. Eu vim cair em si mesmo, já tinha feito o depósito dos R$ 3 mil já", contou a vítima.