Pesquisar neste site

A ingrata tarefa de 'enxugar gelo' em Canoinhas

Apesar do título da matéria referir-se a Canoinhas, o problema é nacional: o Código Penal Brasileiro está totalmente defasado. Vemos exemplos diariamente nos noticiários. 

Vivemos em um país onde a norma é a liberdade, a prisão a exceção. É o típico prende/solta.

Vamos aos fatos:

Na madrugada deste domingo (1º), meliantes furtaram um veículo Fiat Uno, próximo ao Fórum ( na rua Duque de Caxias ao lado do 3º Batalhão da Polícia Militar de Canoinhas). A ação foi notada por uma pessoa que acionou a polícia.

Através das câmeras de vídeo monitoramento foi visualizado um veículo com as mesmas característica seguindo sentido bairro São Cristóvão em Três Barras. 

Rapidamente, as guarnições de Rádio Patrulha e do Pelotão de Patrulhamento Tático de Canoinhas e apoio das guarnições de Três Barras, conseguiram localizar o veículo e abordar os indivíduos(um adolescente de 15 anos e um homem de 35) no bairro São Cristóvão, na Rua Frederico Bueno.

Os suspeitos foram presos em flagrante pelo furto do veículo, na madrugada de domingo, no bairro São Cristóvão em Três Barras. Foto: PM Canoinhas
Após contato com o dono do veículo e confirmação do furto, os suspeitos foram entregues na Delegacia de Polícia Civil para providências cabíveis.
Até aqui, tudo certo, a polícia fez a sua parte.

Na tarde de hoje (1º), os mesmos suspeitos ainda trajando as mesmas roupas, foram abordados por outra guarnição da Polícia Militar, no centro da cidade.

Na tarde do mesmo dia, os dois foram abordados por outra guarnição da PM. Foto: PM Canoinhas
Segundo a polícia, não foi lavrado o flagrante (do furto do Fiat Uno) na Polícia Civil porque um dos suspeitos, menor de idade, assumiu a culpa sozinho. Nada mais restou do que liberar os indivíduos.

Caso parecido aconteceu alguns dias atrás no bairro Campo da Água Verde. Um jovem foi preso por furto duas vezes, em menos de 18 horas.

Enxugar gelo

Enxugar gelo é uma expressão comum entre os policiais quando se referem a prisões e solturas de criminosos. Com isso, revelam frustração frente a uma situação que também incomoda a sociedade: ver bandido no mesmo convívio social e reincidindo no crime. 

Também é bastante repetido o argumento que "a polícia prende e a Justiça solta".
É realidade, mas quem solta não é o juiz/delegado, é a legislação. Não podemos colocar culpa no Judiciário.

É necessário mudar a legislação (Código Penal Brasileiro) vigente. A questão de prender e ele voltar para a rua é um fator , mas a Polícia Militar vai prender quantas vezes forem necessárias. 
Trocando em miúdos, vai continuar enxugando gelo.