Violência contra a mulher em Santa Catarina: os números impressionam

Quantos casos de mulheres agredidas você já ouviu falar? Que esconderam a verdade dos fatos, por medo ou insegurança? Não importa o motivo, agressão à mulher é crime. #NadaJustifica

Um dos principais ambientes onde mulheres sofrem assédio é nas ruas. Não importa o jeito de se vestir, a forma de caminhar, se está acompanhada ou sozinha. #NadaJustifica

O Governo do Estado lançou uma campanha de combate à violência contra as mulheres em Santa Catarina. A ação está focada no ambiente digital, com peças para redes sociais e produção de matérias especiais sobre o tema.
Foram elaborados vídeos informativos e imagens para alertar sobre os números que, nas redes sociais, serão marcados com a hashtag #NadaJustifica

Os números da violência contra a mulher em Santa Catarina

Em 2018 foram registrados 1.382 estupros no Estado entre os meses de janeiro e abril. Também nesse período foram 6,9 mil casos de lesão corporal – sendo que quase 65% ocorreram dentro de casa.


Em relação ao feminicídio - crime praticado contra a mulher em decorrência de violência doméstica, familiar ou, ainda, menosprezo ou discriminação à condição de mulher – no primeiro trimestre desse ano foram registradas oito ocorrências em Santa Catarina. 

Em metade dos casos, as vítimas tinham até 30 anos e tinham filhos com o autor do crime. Três vítimas registraram boletim de ocorrência contra o criminoso. E quase todos os casos ocorreram dentro de casa.
“As mulheres não podem aceitar situações de violência. Precisam tocar adiante os inquéritos policiais. Muitas vítimas se sentem intimidadas e retiram as queixas ou então mudam seus depoimentos nas audiências".
Nada justifica. Nada.

Segundo levantamento realizado pelo Instituto Maria da Penha, a cada dois segundos uma mulher é vítima de violência física ou verbal no Brasil. E a cada dois minutos, uma mulher é vítima de arma de fogo.

Para denunciar esses casos, foi criado em 2005 o Dique 180 – Central de Atendimento à Mulher. Por meio desse canal as mulheres são orientadas sobre os serviços disponíveis para o enfrentamento do problema. 
É um serviço gratuito e anônimo. As atendentes são mulheres e são treinadas para dar o devido encaminhamento.


"Precisamos evoluir nas relações entre os casais e as famílias. Enquanto houver a sensação de propriedade um do outro, em especial do homem que se sente dono da mulher, teremos ocorrências de violência”. Nada justifica. Denuncie!

Em Santa Catarina as vítimas também podem fazer denuncias à Polícia Civil pelo número 181.