O número de pobres no Brasil pode chegar a 100 milhões em 2030

O número de pobres no Brasil pode chegar a 100 milhões em 2030, atingindo, assim, 43% da população total estimada para o período (230 milhões).

Esse cenário representaria um aumento de 35,2 milhões de habitantes recebendo até meio salário mínimo por mês, se comparado a 2017.

No ano passado, 64,8 milhões de brasileiros estavam sob a condição de pobreza (31% do total dos habitantes).  O cálculo foi feito pelo professor de economia Luciano D’Agostini, do Instituto Federal do Amazonas (IFA), com base na Síntese de Indicadores Sociais (SIS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Considera-se viver na pobreza os que tem renda familiar equivalente a R$ 477,00 (meio salário mínimo/no Brasil) ou U$ 5,5 por dia, valor adotado pelo Banco Mundial para definir se uma pessoa é pobre.
Estatísticas do IBGE envolvendo crianças de 0 a 14 anos de idade mostram que 42% das crianças nesta faixa etária se enquadram na condição de pobreza no Brasil.
0 maior índice de pobreza se dá na Região Nordeste do país, onde 43,5% da população se enquadra nessa situação e, a menor, no Sul: 12,3%.

A recente fixação do teto dos gastos públicos terá como conseqüência a redução do investimento público per capita em educação e programas sociais, ou seja, a razão investimento público por unidade de habitante cairá fortemente, excluindo socialmente milhares de habitantes”, analisa D’Agostini.

No nível federal, os investimentos públicos em educação caíram 67% em cinco anos, para R$ 4,572 bilhões no acumulado de 12 meses até abril de 2018, ante igual período de 2013, quando os recursos alocados na área foram de R$ 14 bilhões, mostra a Secretaria do Tesouro Nacional (STN). 

Os investimentos, por não fazerem parte das despesas obrigatórias do governo, acabam sendo mais facilmente cortados em períodos de ajuste fiscal, como vem ocorrendo desde o ano de 2014.

Para a professora de economia Marilane Teixeira, da Unicamp, a geração de emprego formal é uma das formas de promover a diminuição da pobreza. Entre os meses de fevereiro, março e abril de 2014 e igual período de 2018, o Brasil perdeu 4 milhões de postos de trabalho com carteira assinada. 

0 maior índice de pobreza se dá na Região Nordeste do país.
Bolsa Família

Na última sexta-feira, o governo federal formalizou o reajuste de 5,67% no valor mensal do Bolsa Família. 

Segundo o texto, o programa atenderá famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza, caracterizadas pela renda familiar mensal per capita de até R$ 178 e R$ 89, respectivamente. 

Hoje, esses valores são de R$ 170 e R$ 85, que beneficiam 13,8 milhões de famílias. Já famílias de extrema pobreza que tenham gestantes e crianças de até 12 anos ou adolescentes até 15 anos receberão um benefício variável mensal de R$ 41 por beneficiário até o limite de R$ 205 por família.

Fontes: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - DCI - Unicamp