Natural de Marcílio Dias foi um líder da apicultura brasileira

Compartilhe:
Helmuth Wiese, filho de João e Bertha Noernberg Wiese, nasceu em oito de julho de 1926, em Marcílio Dias, povoado mais antigo de Canoinhas.
Desde a infância a sua paixão por abelhas se manifestou de forma intensa, época em que já era o responsável pelo apiário da família composto de 70 colmeias Schenk.

O fascínio e a busca por maiores informações sobre as abelhas não cessavam. Em 1950 participou de um curso na Universidade Rural do Rio de Janeiro. Com os conhecimentos adquiridos, obteve junto ao ex-presidente John Kennedy, dos EUA, uma bolsa de estudos, que começou na David University (Califórnia), onde aprendeu inseminação instrumental em rainhas e apicultura geral, e percorreu o mundo, finalizando sua aventura na África do Sul.

Helmuth Wiese, o pai das abelhas
Uma das raras imagens de Helmuth Wiese. Aqui com a famosa "barba de abelhas".
Wiese participou de inúmeros congressos internacionais de apicultura, em países como USA, Austrália, Argentina, Grécia, México, Hungria, Japão e Polônia.
Além disso organizou e presidiu os dois primeiros congressos brasileiros de apicultura da Confederação Brasileira de Apicultura.

Em 1974, então especialista em apicultura, foi admitido para trabalhar na Secretaria da Agricultura e Abastecimento de Santa Catarina. Num certo dia descobriu, por acaso, três colmeias abandonadas.
A partir daí, passou a desenvolver intensamente a atividade em âmbito estadual, conquistando para Santa Catarina o primeiro lugar na produção de mel no Brasil.

Autor de vários livros consagrados sobre o assunto, produziu ainda uma série de apostilas e folhetos técnicos destinados a cursos, conferências e palestras.

Fundou a Confederação Brasileira de Apicultura, entre outras entidades. Obteve a Medalha de Ouro da Apimondia ( Apimondia é uma palavra composta de duas palavras; api, referindo-se a abelhas e mondia, referindo-se ao mundo) por serviços prestados à apicultura mundial; Medalha de Ouro no Congresso Brasileiro de Apicultura, em Curitiba, pela melhor trabalho sobre polinização; Campeão Mundial de “Panal Humano de Abejas” um concurso da TV Caracas, da Venezuela, e a Medalha de Ouro “Prof. Emílio Schenk”.

Cidade das Abelhas

Em 1952, Helmuth Wiese criou a Cidade das Abelhas, que por décadas foi o berço da apicultura estadual, onde a sede ficava em Florianópolis, no bairro Saco Grande.

A Cidade das Abelhas foi um importante centro de pesquisas que teve 50 anos de história em prol dos produtores de mel e derivados em Santa Catarina. 
Em 1975 contava-se cerca 2,4 milhões de abelhas operárias, 40 abelhas rainhas e oito mil zangões vivendo no local.
Em 1979, na Grécia, o mel do Estado de Santa Catarina foi considerado o melhor do mundo.
Na década de 80 o Projeto Apicultura (como era conhecida a Cidade das Abelhas) foi transformado em Instituto e incorporado, em 1991, à Epagri.

1990 – O Parque Ecológico Cidade das Abelhas vive o seu auge como centro de pesquisa em apicultura e é referência internacional.
2005 – A Epagri deixa de investir no parque dando o início a um declínio e abandono do centro.

Sem investimentos, a Cidade das Abelhas deixa de existir.
Em 2009 laboratórios, salas de aula, a casa do mel e a casa da rainha foram aos poucos sendo transferidas para Videira, no Meio-Oeste.

Em 2011, o cenário era desolador. Os prédios estavam abandonados. Das abelhas, das pesquisas e das análises laboratoriais só restaram lembranças.

Mas a obra e a memória de Helmuth Wiese (ou "pai das abelhas" como era carinhosamente chamado em todo o Brasil) ficarão gravadas eternamente.
Helmuth, um filho da nossa terra, faleceu no dia 15 de outubro de 2002, em Florianópolis/SC