Terremoto com epicentro na Bolívia é sentido também em cidades catarinenses

Compartilhe:
Um terremoto de 6.8 graus na Escala Richter, com epicentro na Bolívia, fez balançar prédios em Brasília, São Paulo e outras capitais brasileiras. O epicentro do tremor foi na localidade de Tarija, a baixa profundidade.

A Bolívia está localizada no chamado Anel de Fogo do Pacífico – um grande território que forma a bacia do Pacífico e é conhecido por sua atividade sismológica, incluindo erupções vulcânicas e terremotos.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) informou que o epicentro do abalo sísmico ocorreu a 13 quilômetros da localidade de Carandayti, no Sul da Bolívia, próximo ao Paraguai.

Terremoto ocorreu a 557 quilômetros de profundidade. Foto/Centro Sismológico dos Estados Unidos
Os brasileiros das áreas afetadas que estavam trabalhando em seus escritórios abandonaram os prédios. Servidores e usuários de muitas repartições públicas em Brasília entraram em pânico.

Tremor também foi sentido em Santa Catarina

A Defesa Civil do Estado recebeu relatos de tremores em Itajaí, Palhoça e São José, na Grande Florianópolis. Mas o órgão não emitiu alerta porque não houve constatação de risco aos catarinenses.

O secretário de Estado da Defesa CiviL, Rodrigo Moratelli, explica que o tremor que foi percebido em regiões de Santa Catarina é classificado como micro, decorrente das ondas sísmicas provocadas pelo evento na Bolívia.

Fenômeno raro em Santa Catarina

A relação entre o terremoto na Bolívia e os relatos de tremor sentido em Santa Catarina indicam um fenômeno bastante raro. Doutor em Geociências, o professor José Gustavo Natorf de Abreu, da Univali, diz que é mais fácil haver reflexo no litoral catarinense quando o tremor ocorre no Oceano Atlântico.

Cerca de cinco anos atrás, um terremoto nessas condições foi levemente sentido em Itajaí e Balneário Camboriú.

Para haver reflexo de um tremor ocorrido na Bolívia, explica o professor, é preciso atentar para a profundidade do fenômeno. Quanto mais profundo, maior o raio de propagação e, portanto, maior a possibilidade de sentirmos os reflexos do abalo. 

O USGS informou que o terremoto ocorreu a 557 quilômetros de profundidade, o que pode ter levado os efeitos para além do território boliviano.

Na avaliação do especialista, alguns moradores de cidades como Itajaí, São José e Palhoça sentiram o abalo por causa das características dos prédios onde estavam.