Mulher é suspeita de matar idoso para roubar um televisor e R$ 115,00, no sul catarinense

Uma mulher, de 29 anos, confessou que assassinou um idoso por asfixia e roubou da residência do mesmo um televisor e R$ 115,00.
O crime aconteceu no sábado (07), em Laguna, sul catarinense. A mulher foi presa nesta terça-feira (10), em Barra Velha, litoral norte catarinense.

O idoso morreu asfixiado com um travesseiro, detalhou a mulher em depoimento.
De acordo com a Polícia Civil, o caso é de latrocínio (roubo seguido de morte), já que ela confessou o assassinato, ocorrido dentro da casa da vítima.

O corpo do idoso, João Pires de Souza de 72 anos, foi encontrado no domingo (8) pela filha dele. 

Suspeita conhecia vítima


De acordo com o delegado responsável pelo caso, a mulher conhecia Souza há mais de dois anos, porque fazia algumas faxinas na casa. "Ela acabou caindo no crack e a vítima acolhia algumas pessoas que eram usuárias de crack", disse o delegado.

"Ela disse que foi para a casa da vítima tentar receber um pagamento de faxina que havia sido feita. Segundo ela, ele (o idoso), teria se 'engraçado' para cima dela, por isso o matou. Ela confirmou que subtraiu R$ 115 do bolso da calça dele e o televisor. Disse que seria para comprar uma passagem para o Rio de Janeiro", relatou o delegado.

Porém, a polícia teve informações de que a televisão foi vendida num local de venda de drogas. Também conseguiu descobrir que a mulher fugiu para a casa de uma irmã que mora em Palhoça, na Grande Florianópolis e que, depois, embarcou em um ônibus com destino ao Rio de Janeiro.

A suspeita de matar idoso em Laguna foi presa em Barra Velha. Foto: Polícia Civil/Divulgação
Identificando o veículo na qual a mulher viajava, a Polícia Civil pediu auxílio à Polícia Rodoviária Federal, que parou o ônibus em Barra Velha.

Após prestar depoimento, ela foi levada para o Presídio Feminino de Tubarão, no Sul catarinense, onde ficará por 30 dias. A polícia continuará o inquérito sobre o caso e, confirmando-se a autoria do crime, o delegado deve pedir a prisão preventiva dela.

Um dos laudos que a polícia aguarda para a conclusão da investigação é o material biológico da suspeita, que será confrontado com o de uma quantidade de cabelo que foi encontrada na mão da vítima.