Mistério no assassinato de mãe e filha em Santa Catarina

Mãe e filha foram encontradas mortas dentro da própria casa em Blumenau, no Vale do Itajaí, na noite desta quarta-feira (4).
Os corpos de Inês do Amaral, de 57 anos, e uma filha, Franciele Will, de 30, foram achados por outro filho de Inês por volta das 20h e ele chamou a polícia.

Nesta quinta-feira (05), a Polícia Civil informou que não acredita que as mortes tenham ocorrido durante um roubo. Segundo o delegado responsável pelo caso,  eletrônicos, carteiras e dinheiro ficaram na residência após o crime.

Inês do Amaral e sua filha Franciele /Reprodução
Crime

A mãe foi asfixiada e tem marcas de corte no rosto. A filha foi degolada. Elas estavam em cômodos diferentes da casa, como explicou Onildo do Amaral, irmão de Inês:

"A Franciele abriu a porta e entrou. Supõe-se que o rapaz estava atrás da porta, deu um mata-leão nela e já fez a degola. Ela deu alguns passos e caiu com as pernas para lá [aponta galpão da cozinha], abraçada com a agenda dela. Quando o filho chegou, viu a irmã morta numa poça de sangue. Ele foi até o quarto, foi procurar a mãe e a mãe estava morta em um quarto".

Os vizinhos não viram nada de estranho durante o dia. Inês era costureira e costumava trabalhar em casa.

Investigação

Um dos carros da vítima, que estava na garagem, foi levado pelos criminosos, o que não tinha rastreador. Outro automóvel estava aberto e na rua. A polícia localizou na manhã desta quinta, o veículo levado.

Local onde aconteceu os crimes/Reprodução
O delegado explicou porque trabalha com a hipótese de duplo homicídio: "em virtude de outros vestígios coletados no local dos fatos, porque nenhum objeto está desalinhado, nenhum eletrônico foi subtraído. Inclusive os pertences das vítimas estavam no local, como carteira, celular, dinheiro. Inclusive uma das vítimas, a filha, foi executada, degolada na cozinha da residência ainda portando a sua bolsa".

"Até agora nós não temos nenhum suspeito. As primeiras testemunhas vão prestar depoimento no decorrer desta semana e a gente pode traçar uma linha de investigação e levantar alguns suspeitos", completou o delegado.