Canoinhas começa o ano com saldo negativo na geração de emprego

Compartilhe:
Faltou trabalho para cerca de 26,4 milhões de brasileiros em 2017, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) trimestral, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No Brasil do desemprego, sobra desalento: 4,3 milhões de trabalhadores e trabalhadoras estão desestimulados a procurar emprego.


Segundo o IBGE, este é o maior contingente de desalentados já registrado desde 2012, quando começou a série histórica feita pelo Instituto.

Uma das razões para o desalento pode ser o aumento na demora para conseguir emprego nos últimos meses. Pesquisa aponta que os brasileiros estão demorando, em média, um ano e dois meses para conseguir emprego no Brasil.

Canoinhas

Dados divulgados pelo CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - nesta sexta-feira (02), mostra que o município de Canoinhas começou o ano com taxa negativa de geração de emprego: -0,37% na variação de novos postos de trabalho, com a perda de 39 postos.

Porto União também teve saldo negativo, -1,00% e fechou 53 postos.
Mafra registrou saldo positivo de 0,18%, com a criação de 22 novos postos de trabalho.

Na região

Major Vieira
Admissões - 16
Demissões- 22
Variação - -6

Bela Vista do Toldo
Admissões - 8
Demissões- 2
Variação - +6

Irineópolis
Admissões - 23
Demissões- 23
Variação - 0

Itaiópolis
Admissões - 105
Demissões- 112
Variação - -7

Papanduva
Admissões -157
Demissões- 128
Variação - +29

Três Barras
Admissões - 163
Demissões- 155
Variação - +8

Monte Castelo
Admissões - 47
Demissões- 5
Variação - -4

Em Santa Catarina, o município que mais criou postos de trabalho formais foi Fraiburgo, com 1.492.  O município de Araranguá foi o que registrou o pior índice, com saldo negativo de -333 postos.

No geral, o Estado criou 17,3 mil postos de trabalho formais em janeiro de 2018. Com isso, foi o terceiro Estado que mais criou vagas no país, atrás apenas de São Paulo (20.278) e Rio Grande do Sul (17.769).
  
Fonte: Caged/IBGE