MPSC pede novas informações sobre caso da morte da menina Heloísa em Mafra

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) encaminhou novamente à Polícia Civil de Mafra o inquérito que investiga a morte da menina Heloísa Martins Lisboa, de um ano e 20 dias, em junho do ano passado

A decisão ocorreu depois da análise do documento no qual a polícia concluiu que houve omissão e negligência na transferência da criança para o Hospital Infantil de Joinville. A solicitação de diligências complementares sobre o caso foi feita pela 2ª Promotoria de Justiça de Mafra.

Agora a Polícia Civil deve dar continuidade à investigação e, posteriormente, repassar o material colhido ao Ministério Público.

O resultado da apuração liderada pelo delegado Nelson Vidal, titular da Delegacia de Mafra, foi finalizado em dezembro do ano passado e resultou no indiciamento de 14 funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) nas cidades de Mafra, Joinville, Florianópolis e Canoinhas. Eles foram indiciados por homicídio culposo comissivo por omissão (quando os funcionários tinham uma atividade a realizar e não fizeram).

A polícia concluiu que houve omissão e negligência no atendimento a Heloísa/Arquivo
Conclusão da polícia

Na documentação apresentada ao MPSC, a apuração destacou ainda que houve demora na transferência da menina do Hospital São Vicente de Paulo para o Hospital Infantil de Joinville, onde ela realizaria tratamento especializado para uma pneumonia. A criança morreu no dia 10 de junho por complicações da doença.

Na época testemunhas relataram que a falha aconteceu por causa da falta de combustível na ambulância, além da falta de um médico na base do Samu de Mafra.

Aberto três dias depois da morte de Heloísa, o procedimento policial levou seis meses para ser concluído e apurou a ação individual de cada um dos indiciados com relação à omissão e negligência no atendimento. Mais de 40 pessoas foram ouvidas ao longo da investigação.
Fonte: A Notícia