Duas mortes suspeitas por febre amarela estão sendo investigadas, em Santa Catarina

Cinco casos suspeitos de febre amarela estão sendo investigados em Santa Catarina, segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (Dive/SC).
De acordo com o órgão, os casos foram notificados entre 1º e 18 de janeiro e são de pessoas que viajaram para cidades de outros estados.

Em dois desses casos, as pessoas morreram. Uma delas era moradora de Gaspar, no Vale do Itajaí, e a outra de Lajeado Grande, no Oeste. As duas haviam viajado para o estado de São Paulo.


Os exames nessas vítimas foram feitos pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Paraná e os resultados podem levar até 20 dias para serem divulgados.

Macacos

Segundo a Dive, não há registros de casos autóctones (transmitidos dentro do estado) de febre amarela em humanos em Santa Catarina desde 1966. 
Está sendo investigado também o caso de quatro macacos que adoeceram neste período. 

De acordo com a Gerência de Zoonoses da Dive, foi feita a coleta de amostras em três deles e os resultados estão sendo aguardados.

Ainda de acordo com a Dive, os macacos são como sentinelas da febre amarela: são os primeiros a adoecer, alertando para uma possível circulação do vírus da febre amarela naquela região.

Por isso, a importância de comunicar as secretarias municipais de Saúde sobre o adoecimento ou morte desses animais.