Criança de 11 anos pede pão, presunto e queijo de presente de Natal

Um menino de 11 anos escreveu uma cartinha ao Papai Noel com um pedido: queria ganhar pão de forma, presunto e muçarella como presente de Natal. Se possível, també uma cesta básica para alegrar o Natal dele a da avó.

A carta, na verdade, não era endereçada ao bom velhinho, mas para alguém que pudesse se solidarizar com seu pedido.

Cartinha que Bruno escreveu ao "Papai Noel". Reprodução/ EPTV
A mensagem, com letra caprichada, foi espalhada pela cidade na esperança de  que uma pessoa lesse e atendesse seu pedido.

Leia a cartinha na íntegra:

Sou Bruno. Tenho 11 anos. Moro com minha vozinha desde que nasci e ela está muito doente. Operou do intestino e agora faz quimioterapia. Oro para que ela sare logo.Escrevo porque vivemos de um salário mínimo para aluguel, água, luz e remédios que o SUS não dá. E ela não pode comprar uma coisa que gosto muito, que é o bauru. Gostaria de ganhar pão de forma, presunto e muçarela para matar a minha vontade e, se possível, uma cesta básica para alegrar meu Natal e de minha avó. Venha me visitar.
Feliz Natal! Deus lhe dê em dobro!
Uma das cartas foi deixada próximo à garagem do prédio onde mora a vendedora Mayara Estevão, em Franca (SP), que ao ler o texto, se comoveu.

Ao fim do texto, Mayara achou uma pista para localizar o autor: um endereço no bairro Vila Aparecida e um convite com a frase “Venha me visitar”. O encontro aconteceu nesta sexta-feira (22) e Bruno não só ganhou os ingredientes para o sanduíche favorito, mas também uma festa de natal na casa da nova amiga.

Bruno e a avó, Maria Sueli/Reprodução
“Estou muito feliz com o que acabei de ganhar. Eu prefiro comida do que brinquedo e eu amo minha avó”, disse o estudante, emocionado.

A avó, Maria Sueli Cintra, é viúva e as despesas da casa são pagas com a pensão mensal que ela recebe, no valor de R$ 770. O dinheiro é usado no aluguel de R$ 350, nas contas de água e luz, que somam R$ 120, e no básico da alimentação.

Recentemente, a idosa descobriu um câncer no intestino, foi operada e começou a fazer sessões de quimioterapia. Por causa da doença, parte do orçamento doméstico precisou ser destinada aos remédios.  Eles contam com a solidariedade de amigos para as necessidades que o dinheiro do mês não cobre.

Com a situação difícil e incentivado pela avó, o menino teve a ideia de escrever a carta e espalhar o texto pela cidade.

O menino não só ganhou o que pediu como vai passar o Natal na casa da mais nova amiga/Reprodução/EPTV
“Eu chegava da escola e não tinha nada pra comer. Nada, e ela passando mal. Eu não aguentei. Eu peguei um papel e comecei a escrever e depois espalhei as cartas pela cidade".
Uma delas acabou sendo jogada na casa de Mayara. 
Alguém ainda duvida que Papai Noel existe?