Conheça um pouco da história da santa que dá nome ao nosso Estado

Santa Catarina de Alexandria, por seu grande saber, é padroeira dos estudantes, filósofos e juristas, e com muito orgulho, a padroeira do Estado de Santa Catarina, sendo o dia 25 de novembro dedicado à ela.

Vale lembrar que a Ilha de Santa Catarina virou Capitania de Santa Catarina e Província de Santa Catarina no Império para se transformar no Estado de Santa Catarina a partir da Proclamação da República.

 Reproduções  de imagens que estão no livro, Santa Catarina de Alexandria, de autoria do jornalista Moacir  Pereira. IMAGEM SC - ESTRASBURGO
Esculturas de Catarina são encontradas em diversos países, como a exposta na Catedral de Estrasburgo, uma das mais altas do mundo. Imagem: Carlos Kilian 

A vida de Catarina se mescla entre livros de premiados historiadores, relatos de história que viraram lendas e publicações de renomados pesquisadores. Eles relatam que Catarina vivia no século 4 com a família em faustoso Palácio em Alexandria.

Catarina se destacava pela inteligência, beleza e sabedoria. Virtuosa e pagã, teve fina educação. Converteu-se ao cristianismo, sensibilizada com os gritos dos cristãos martirizados por Maximino.

Foi pedir o fim dos sacrifícios diretamente ao imperador romano. Desafiou-o pelos conhecimentos filosóficos. Atraído por sua beleza, Maximino propôs casamento. Rejeitado e derrotado em seus argumentos sobre os cristãos, convocou os maiores sábios para enfrentamento com a jovem Catarina.

Depois de várias tentativas, o tirano decidiu sacrificá-la. Como ela teria resistindo ao martírio das rodas, o imperador mandou decapitá-la.

Os monges decidiram, então, transportar os restos mortais dela para o Monte Sinai, no Egito.
Duzentos anos depois, o imperador Justiniano mandou construir no local a Basílica da Transfiguração, a base do Mosteiro. É o único no mundo inteiramente preservado até hoje.

Entre os documentos guardados a sete chaves, uma declaração assinada pelo profeta Maomé de que os muçulmanos devem respeitar o mosteiro e outra do imperador Napoleão, protegendo o monumento histórico.

Em seu interior, além de capelas onde os ortodoxos gregos realizam celebrações, uma pequena mesquita e uma sinagoga. Esta harmoniosa convivência das três religiões monoteístas é interpretada como a inspiração maior de Catarina de Alexandria.
 Reproduções  de imagens que estão no livro, Santa Catarina de Alexandria, de autoria do jornalista Moacir  Pereira. Monte Sinai
O Mosteiro de Santa Catarina, ao pé do Monte Sinai, no Egito, é uma raridade entre todos os monumentos históricos tombados pela Unesco como patrimônio da humanidade / Divulgação

Padroeira do Estado

Os fatos e lendas de como a Santa Catarina de Alexandria se tornou padroeira do Estado se perdem na história. Uma das teses mais fortes é a de que quando os primeiros descobridores passaram por aqui, em 1526, deram o nome Ilha de Santa Catarina.

No Estado ela se tornou padroeira oficial somente em 1922, após o pedido do Arcebispo da época, Dom Joaquim, para que Papa Pio XI expedisse o decreto.
Mosaico de Rodrigo de Haro, um dos artistas que mais produziu obras sobre Santa Catarina, montado no Centro Cívico Tancredo Neves, no centro de Florianópolis /Divulgação

A história da padroeira do Estado é desconhecida pela maioria da população. Há vários motivos para este desconhecimento.

Atribui-se, nos últimos anos, à exclusão de seu nome, no século passado, do calendário oficial do Vaticano; à existência de outra Catarina, a de Siena, cuja morte se deu quase mil anos depois e à ampla difusão de sua obra na Europa; e à falta de interesse dos governantes e autoridades católicas na difusão de sua rica biografia.