Cão farejador da PM identifica assaltante em Joaçaba, oeste catarinense

O cão Iron, da Polícia Militar de Joaçaba, no oeste catarinense, ajudou a encontrar dois suspeitos de roubar o táxi de um idoso.
O assalto aconteceu no sábado (11) mas as informações foram divulgadas pela polícia na terça-feira (14).

Segundo o cabo Alexandre Rodrigues da Silva, treinador do animal, para roubar o táxi, os dois homens empurraram o proprietário, tiraram a chave das mãos dele e fugiram com o veículo.

Durante a fuga, o carro ficou preso na valeta de uma estrada de chão que dá acesso ao bairro Clara Adélia, em Joaçaba. Como seria necessário um guincho para retirá-lo, os suspeitos abandonaram o veículo.

Cão Iron encontrou suspeitos de assalto Imagem: PM/Divulgação
Quanto a Iron, bastou cheirar um algodão friccionado no volante do carro que foi abandonado para que ele indicasse o caminho para encontrar os envolvidos.

Os policiais percorreram um quilômetro seguindo as indicações do animal até se deparar com os dois homens durante a abordagem de outra guarnição militar. “Eles estavam sentados no chão quando Iron correu para lamber um dos homens. Com isso, não tivemos dúvida de quem era o motorista do carro”, relatou o cabo Alexandre.

Táxi caiu e valeta e foi abandonado Imagem: PM/Divulgação
"Até então não tinham confessado o crime. O Iron indicou um deles, mostrando que o odor era o que havia sido oferecido no começo da trilha. Quando perguntamos novamente sobre a autoria do roubo, ele acabou confessando que tinha roubado o veículo”, contou o cabo Alexandre.

"Depois de confessar o crime, eles indicaram o local onde estava a chave do carro, próximo à igreja da cidade", disse o policial.

Ambos suspeitos tinham antecedentes criminais por furto. Os dois homens foram encaminhados para a delegacia de Joaçaba e depois para o presídio.

Depois de identificar o suspeito, Iron recebeu petisco e muitos afagos.PM/Divulgação
Quanto ao cão Iron, que tem dois anos, "ele é um animal muito dócil e amável, especializado na busca de pessoas, seja em casos de desaparecidos quanto de envolvidos em crimes”, explicou o treinador.