Coletivo Santa Cruz sobe tarifa para R$ 3,00, mas não fala em mudar rotas e horários

A empresa de transportes Coletivo Santa Cruz, que atua em Canoinhas basicamente desde 1969, anunciou o aumento do preço da tarifa.
Com o reajuste, o preço da passagem urbana vai dos atuais R$ 2,75 para R$ 3,00 a partir do dia 9 de outubro.

Segundo a empresa, o aumento do custo de combustível e a queda no número de passageiros foram fatores que contribuíram para o aumento.
Essa última justificativa soa que meio que estranha, subentende-se que aumentando o valor aumentará o número de usuários?

Lembrando que recentemente foi vetado pelo prefeito Beto Passos, o Projeto de Lei que concederia o benefício de meia passagem aos estudantes.
Um dos objetivos do projeto, de autoria da vereadora Zenici Dreher, era justamente aumentar o número de usuários, principalmente estudantes.

Mas como a empresa teria que arcar com os 50% do desconto...

Aumento de passagem urbana coletivo Santa Cruz Canoinhas

Hoje, muitos estudantes optam por usar veículo próprio ou contratar vans escolares por causa do preço da passagem. Com esse aumento então, a tendência é cair ainda mais o número de usuários, não só de estudantes mas do público em geral.

Aumenta-se o valor da tarifa mas nem cogita-se rever as rotas e horários dos coletivos, o que poderia aumentar a frequência de uso nos coletivos.
Mobilidade urbana e acessibilidade  parece que são conceitos desconhecidos.

Mobilidade urbana: capacidade de deslocamento de indivíduos para suprir suas necessidades para a realização das atividades cotidianas, tais como: trabalho, educação, saúde, lazer e cultura.
Também pode ser definida como como o resultado de políticas de transporte e circulação que visam à priorização dos meios de transporte coletivos e não motorizados, promovendo o acesso básico às necessidades dos cidadãos.
Acessibilidade : é possibilidade que as pessoas têm de atingir os destinos desejados.
Passagem para estudantes

Em sessão itinerante da Câmara de Vereadores de Canoinhas, realizada no dia 6 de junho, no auditório do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), um dos assuntos foi justamente esse: valor da passagem mais acessível para os alunos, para facilitar o acesso à escola.

Conforme a assistente social do Câmpus, Patricia Maccarini Moraes, o custo do transporte é um dos fatores para a evasão escolar, principalmente para quem precisa usar dois ônibus para chegar ao IFSC, localizado no Bairro Campo da Água Verde. “É um impacto financeiro no orçamento da família”, disse a assistente social, com base em um levantamento de dados realizado junto aos alunos, no início deste ano.

Só para lembrar, a visão da empresa é: "Ser a mais admirada da região pela excelência nos serviços e rentabilidade". Então tá!