Morador de Itajaí denuncia sino de igreja por 'perturbação do sossego alheio'

Incomodado com as badaladas de um sino de igreja, um capitão dos bombeiros que mora na cidade, mas trabalha em Itapema, no Litoral Norte, chamou a polícia.

O aparelho que faz o sino tocar foi apreendido pela PM por "perturbação do sossego alheio" no sábado (16).
'Não consigo descansar porque as badaladas são muitos altas', disse o bombeiro. 

O sino pertencia à paróquia São Cristóvão, a segunda maior igreja da cidade e há nove anos as badaladas marcavam a virada das horas na comunidade.

Paróquia São Cristóvão, em Itajaí. Ao fundo, a torre onde ficava o sino/Reprodução
A Mitra Arquidiocesana considerou apreensão indevida e emitiu nota lamentando a apreensão do equipamento.

O comando da PM também se manifestou por meio de nota e disse que a lei sobre perturbação do sossego alheio prevê que os equipamentos sejam recolhidos.

"Mesmo com ar-condicionado, ventilador para abafar o som, eu não consigo descansar porque as badaladas são muito altas. Para quem mora a 50 metros da igreja, 30 metros da igreja, como é o meu caso, é um som ensurdecedor", afirmou o bombeiro militar que fez a denúncia, Maicon Alcântara.

Na tarde de segunda-feira (18), a Mitra Arquidiocesana de Florianópolis informou que uma lei municipal permite o toque dos sinos para indicação de horas e trata as badaladas como exceção às regras gerais que basearam a ação da PM.

A igreja não comentou o acordo mediado pela polícia e acionou a Justiça para resolver a situação.