Dívida do governo com hospitais poderá ser alvo de inquérito. Valor já passa dos 700 milhões

A dívida que o governo do estado tem com os hospitais já passa dos R$ 700 milhões, conforme admite a própria Secretaria de Estado da Saúde.

Em vista disto, o Conselho Superior do Ministério Público quer que a Procuradoria-geral de Justiça de Santa Catarina abra um inquérito civil contra o governador Raimundo Colombo (PSD) e o secretário de estado da Saúde, Vicente Caropreso.


HSCC não recebe repasse do governo desde janeiro de 2017.
A Procuradoria-geral de Justiça é um órgão da administração superior do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). Ela atua como órgão de execução, ou seja, pode propor ação penal em relação a crimes praticados por autoridades com direito a foro privilegiado.

Na sexta-feira (25), Colombo comentou a possível investigação: "absoluta tranquilidade. Nós temos todo um planejamento de trabalho e nós estamos fazendo o máximo possível com a arrecadação. Todo mundo está vendo a crise que existe no Brasil, existe em todos os lugares. E nós não somos uma ilha, a gente está tendo um desempenho melhor e isso vai ficar comprovado em qualquer estudo que pedirem".

No último dia 16, o governo anunciou um repasse de R$ 400 milhões para a Saúde, ainda este ano.

Os atrasos refletem nos atendimentos. Em Canoinhas, o Hospital Santa Cruz não recebe o repasse de R$ 100 mil mensais desde janeiro deste ano.
A falta da verba pode ameaçar a condição financeira do hospital. 

Os repasses também atrasaram à organização social que administra o Hospital Infantil Dr. Jeser Amarante Faria, de Joinville, Norte do estado.

Só com o Centro de Pesquisa Oncológica (Cepon), que atende pacientes com câncer, a dívida do Estado é de mais de R$ 40 milhões. O Cepon já anunciou que deve reduzir o horário de atendimento na emergência.

A Procuradoria-geral de Justiça de SC diz que está analisando o pedido de inquérito civil contra Raimundo Colombo.
Tecnologia do Blogger.