Câmara debate políticas de controle da população de animais de rua do município

Com o objetivo de trazer mais informações a respeito do trabalho do Centro de Controle de Zoonoses do município, o médico veterinário responsável pelo setor, Edson Radünz, utilizou a tribuna na sessão de segunda-feira (21).

Atuante no poder executivo do município há 15 anos, Radünz discorreu sobre as técnicas utilizadas no centro desde o ano de 2003. 

Segundo o veterinário, a busca pela resolução da questão dos animais de rua é um dos principais nortes do setor desde seus primeiros anos de atuação. “Passei a pesquisar informações a respeito do que estava sendo feito em outros municípios e o que a gente poderia trazer para a nossa realidade”, relatou. 


Desde 2009 já foram realizadas castrações em 3.100 animais, em Canoinhas.
Entre as possíveis soluções já avaliadas pela equipe está a construção de um canil municipal. Radünz conta que, após estudar o tema, constatou que a medida poderia estimular o abandono de animais, o que causaria superlotação e, consequentemente, condições inadequadas ao abrigo de animais. 

Outra medida relatada pelo veterinário é a realização de um mutirão de castrações, prática que Radünz conheceu no município de Blumenau.

Para o veterinário, a técnica, além de facilitar a transmissão de doenças entre animais, demanda de espaço adequado e um grande número de profissionais para a realização dos procedimentos.

Em Canoinhas, a técnica adotada atualmente é a castração contínua de animais. A iniciativa pioneira fez com que a equipe do município fosse convidada a apresentar o projeto em cidades de todo o país e recebesse visitas de representantes de outros municípios. 

Desde sua aplicação, em 2009, foram realizadas 3.100 castrações. “Acredito que a gente está no caminho”.

Radünz também comentou sobre a possível instalação de uma “Casa de Passagem”, onde os animais seriam vacinados e recuperados por um período e, após o tratamento, seriam doados. 

Apesar de acreditar que esta seria uma medida pertinente, o veterinário relatou que, devido a questões legislativas, o espaço deveria funcionar por meio de uma parceria público-privada.

Ao fim de sua fala, o médico veterinário afirmou que a solução mais efetiva a longo prazo seria a aplicação de medidas educativas sobre a posse consciente dos animais. “Tudo que a gente falou aqui são soluções paliativas. A solução seria mesmo através da educação”, alegou.

O presidente da casa, Wilmar Sudoski (PSD), agradeceu a presença do médico veterinário, lembrando que o tema tem sido debatido com frequência nas sessões.

Coronel Mário também comentou sobre a importância em exercer a posse consciente e incentivar medidas efetivas para controlar o número de animais nas ruas. “Acho que nós precisamos concentrar esforços dentro de alguns princípios, como a educação, conscientização e castração”, afirmou. 

O vereador Paulo Glinski (PSD) relatou que, apesar de o município realizar um trabalho de castração contínua, “a gente tem muito a percorrer para, de fato, minimizar a situação”.

 Após discorrer sobre os esforços que os voluntários de ONGs fazem para auxiliar os animais, o edil sugeriu que o município tome medidas “mais efetivas” para o controle da população dos cães de rua. Glinski sugeriu também que médicos veterinários já instalados em Canoinhas sejam cadastrados para a efetuação de castrações em suas clínicas, “num custo que seja suportável para o município”.

A vereadora Zenici Dreher (PR) parabenizou Radünz pelo trabalho desempenhado nos últimos anos e relatou que, apenas em 2017, foram realizadas diversas indicações e requerimentos a respeito do tema. Uma delas, de autoria do edil Paulinho Basílio (PMDB), propôs a criação de um conselho para o debate da questão. 

De acordo com a proposta, a vereadora contou que uma comissão com representantes do poder público e entidades se reuniu pela primeira vez na última semana.

Para Zenici, é necessário que o grupo estabeleça pautas para avançar no desenvolvimento de projetos. “Tem que ter coerência nos encaminhamentos e planejar estas ações. A partir do momento que essas ações são planejadas, elas começam a sair do papel”.